Dia Nobre



*


Encontrado Manual 
Ancestral Sobre a Arte 
de Desaparecer



Desaparecer é uma arte que envolve destreza e prática. O processo de desaparecimento pode ser provocado por diversos fatores: a cultura machista, depressão e coração partido estão entre as maiores causas de desaparecimento de mulheres nos últimos anos.

O desaparecimento pode ser provocado por outros (cuidado com quem você se relaciona) ou pode ser voluntário. Esta segunda alternativa, presume uma espécie de conformação com o destino, a privação de um conteúdo, de uma posse, uma abnegação de si, uma renúncia perfeita à vontade própria. «Lá no fundo, a morte, mas não tenha medo».

Para desaparecer é preciso estar consciente, é preciso desejar, é preciso não suportar mais a existência rotineira. Pode-se começar com pequenas doses de desaparecimento, quatro, cinco vezes por mês. Depois, deve-se, cuidadosamente, aumentar as doses, duas, três vezes por semana. Você pode ir testando os efeitos do seu desaparecimento. Se as pessoas deixam de entrar em contato, fica mais fácil e o desaparecimento completo é rápido. Questão de dias.

Para desaparecer com perfeição, é preciso desaparecer da memória dos outros.

Deixamos aqui um procedimento básico, sucesso garantido em alguma das tentativas.

Deite em uma rede, ligue um som, acenda um incenso e apague as luzes. Afunde na rede lentamente, escute a música e os sons da casa e da rua. «Silencio. No hay banda» No hay banda. Ninguém sente sua falta e você não sente falta de ninguém. Há um vento que sopra leve e uma solidão perfeita. «È tutto registrato. Il n’y a pas de orchestre.» É tudo uma ilusão. Escuta o silêncio. Não há banda. Ninguém sente sua falta e você não sente falta de ninguém. Seu corpo vai se misturando à fumaça do incenso, às fibras da rede, ao vento, às notas musicais… do-re-mi-do. do-re-mi-do. do-re-mi-do. «Luego de tu adios senti todo mi dolor» Não é fácil de entender. Não tente entender. Só sinta. O completo esvanecimento da sua carne, do seu pensamento, da sua alma.

Você desaparecerá na memória do tempo.



___________________________________________
Gostou? Quer ler todas as minhas obras?
Acesse meu acervo completo em - DiaNobre/Acervo

*

Dia Nobre
Escritora residente. Facilitadora literária



Comentários